fbpx
Como iniciar um e-commerce do zero

Como iniciar um e-commerce do zero

Hoje é o melhor momento para você iniciar um e-commerce!

Devido a pandemia causada pelo coronavírus, que levou as pessoas a ficarem em isolamento, as vendas online tiveram um crescimento bastante expressivo. Só em abril deste ano (2020), o e-commerce brasileiro faturou R$9,4 bilhões – o que representa um aumento de 81% em relação ao mês de abril do ano passado (Dados da Compre&Confie). 

Mas não é só isso.

O e-commerce vem em constante crescente nos últimos anos, tornando-se a preferência das pessoas para a compra dos mais diversos segmentos e tornando-se também a opção de expansão escolhida pela maioria dos varejistas.

A pandemia só veio para consolidar essa forma de compra e estabelecer uma nova era da compra online onde a presença é uma necessidade, não uma opção. Se você ainda não vender online, seu concorrente vai vender e você vai ficar para trás. Portanto, se você estiver pensando em investir em um mercado consolidado e com ótimas previsões de crescimento, hoje queremos te ensinar como iniciar um e-commerce do zero.

Antes de achar que essa ideia não é para você, mergulhe de cabeça comigo em 8 passos que vou te apresentar e veja que pode não ser um bicho de sete cabeças começar algo assim.

Vamos lá?

Como iniciar um e-commerce do zero

Queremos te mostrar as oito etapas essenciais para você iniciar seu e-commerce. Confira:

1. Planejamento

Essa é a etapa principal de qualquer projeto! Ela é essencial para que o projeto do seu e-commerce tenha um caminho estabelecido para ser seguido a partir de definições do retorno que você espera que ele traga.

Para esse planejamento, você pode fazer modelos como o business plan ou até mesmo no formato de um mapa mental. Independente do modelo escolhido, é preciso que este contenha todas as informações sobre o produto, propósito da marca, logística, estoque, mercado, valores etc. 

E, de todas essas informações, há um ponto muito importante que você precisa definir sobre seu e-commerce: propósito.

Por que você está criando um e-commerce? O que você espera alcançar e onde pretende chegar com ele? 

Essas são algumas perguntas que vão te ajudar a definir o propósito do seu e-commerce. Essa definição é essencial pois o propósito de algo é o norte para tudo que for definido em seguida. 

Com seu planejamento em mãos, podemos definir as outras etapas.

2. Nicho e público-alvo

O nicho é também uma das etapas essenciais para iniciar um e-commerce. Você ainda não precisa definir cada produto que será vendido, mas é importante definir o nicho que quer trabalhar.

Se você já possui algo em mente, pesquise sobre esse mercado, sobre a relevância dele e a concorrência. 

Se não tem ideia do que vender, é interessante fazer uma pesquisa do mercado e consultar alguns relatórios como o Webshoppers, por exemplo. Relatórios como esse trazem informações atualizadas sobre quais nichos estão em ascensão, quais mais vendem, previsões do mercado para o futuro e muito mais.

Definido isso, pense no seu público-alvo e também em sua persona. Essa definição é importante pois vai influenciar na sua estratégia de marketing e em todo o funcionamento do e-commerce. Por exemplo, você definiu que seu nicho será uma loja virtual de moda. Há uma grande diferença da construção do e-commerce de uma loja de moda para jovens ou para um público de meia-idade.

Isso porque, ao pensarmos em uma loja virtual é preciso estudar sobre os hábitos de comportamento do seu futuro consumidor. Uma loja de moda para meia-idade, por exemplo, talvez precise de um passo-a-passo mais explícito de como finalizar uma compra, precisará de muitos detalhes sobre o produto. Ou até mesmo mostrar que é seguro comprar em sua loja, considerando que esse público não costuma comprar online. Diferente do público mais jovem, que está habituado a comprar online e já sabe melhor como funciona o processo.

3. Plataforma

A escolha da plataforma ideal vai depender bastante do seu nicho de negócio e do tamanho. Por exemplo, caso você vá vender infoprodutos ou cursos, você pode optar pelo WooCommerce, que utiliza o CMS WordPress para a criação e gestão – uma plataforma mais intuitiva e simples.

Porém, se você vai vender algum tipo de produto físico que demanda uma plataforma mais robusta, a recomendada por nós é a Magento, da Adobe. Além de ser a plataforma mais utilizada no mundo, com ela é possível criar uma loja virtual com condições de se tornar escalável. 

Por ser uma plataforma mais robusta, no Magento é possível desenvolver o e-commerce como preferir, pois ela possui uma gama imensa de funcionalidades e possibilidades de personalização. Diferente do WooCommerce, por exemplo, todos os plugins e extensões estão disponível facilmente para o usuário. 

A plataforma Magento também suporta múltiplas moedas, taxas de impostos e integra diferentes tipo de processamento de pagamento – itens super importantes que vamos comentar adiante.

Leia mais:
Se você não vender online, seu concorrente vai vender
Os 3 melhores gateways de frete para seu e-commerce Magento
8 erros que você não pode cometer na gestão do seu e-commerce

Avalie com calma a plataforma que vai escolher e escolha uma que seja segura, confiável e que dê todo o suporte que você precisa.

4. Nome e domínio

O nome escolhido para seu e-commerce será um os fatores decisivos em seu sucesso. Para defini-lo, é preciso atrelar suas opções a disponibilidade de domínio e de registro no INPI.

Se você não definiu o nome do e-commerce, temos algumas dicas:

Escolha um nome simples: quanto mais curto e simples, mais o nome vai colar na mente das pessoas e te fazer ser lembrado.
Escolha palavras competitivas para o nome: se você busca por “loja de móveis” ou “comprar móveis online” no Google, ter a palavra-chave “móveis” no nome do seu e-commerce é uma forma de atrair tráfego para seu site.
– Analise a concorrência e verifique se já existe alguma marca com o nome igual ou parecido ao seu.
– Verifique se suas opções de nome estão disponíveis no site Registro.com.
– Confira se o @ está disponível nas redes sociais.

Quando você decidir o nome e for registrar o domínio, também adquira todas as variáveis do nome com “.com”, “.br.”, “.org” etc.

5. Hospedagem

A hospedagem é uma partes mais técnica, porém essenciais para você iniciar seu e-commerce. O serviço de hospedagem contratado terá a função de armazenar todas as informações do seu site e disponibilizá-los para qualquer lugar do mundo.

Além de armazenar suas informações, esse serviço precisa ser seguro e eficiente, pois sua performance pode afetar negativamente as vendas do site. Isso porque a hospedagem funciona como a base do seu e-commerce, então sua estrutura e performance influenciam em todas as outras áreas da loja. Por exemplo, se o servidor ficar caindo ou demorar para carregar as páginas, com certeza, suas vendas serão impactadas.

Para escolher sua plataforma de hospedagem, além de prestar atenção nesses detalhes citados, também analise o espaço necessário que você precisa para armazenamento, planeje o volume de tráfego necessário, confira o suporte técnico oferecido por cada uma e – o mais importante: não escolha apenas considerando o preço como fator decisivo.

Nesse post em nosso Instagram @projecttus, listamos algumas opções de servidores com os quais já trabalhamos, testamos e recomendamos:

6. Entrega

Caso você não possua entrega própria, terceirizar essa parte é uma boa ideia. É importante que você tenha em mente que a entrega é uma das partes que mais podem gerar agravantes para seu negócio, por isso, não dependa apenas de uma transportadora. Muitas empresas fecham parceria com os Correios e acabam ficando na mão devido a greves e outros agravantes. 

Você não vai querer se esforçar horrores para realizar uma venda e, quando ela acontecer, o produto não chegar até seu cliente. É uma frustração para ambos os lados e acaba com a experiência de compra para seu cliente. Por isso essa é uma parte essencial.

Nesse post nós indicamos alguns gateways de frete para Magento que fazem a integração do seu e-commerce, diretamente com várias transportadoras.

7. Pagamento

O pagamento, assim como a entrega, é uma das partes mais decisivas na experiência de compra oferecida para seu cliente. 

No Brasil, as condições e formas de pagamento são mais atrativas para o cliente do que o preço. Sabia disso? Isso porque o parcelamento é algo muito comum por aqui e os consumidores topam pagar um preço mais alto, desde que possa pagá-lo em 10x, por exemplo.

Por isso, invista na escolha de um bom gateway de pagamento que ofereça opções diversas como pagamento por boleto, cartão, integração direta com operadoras bancárias, taxas baixas, entre outros. Esses são itens básicos que você precisa, mas hoje já encontramos alguns gateways muito bons que oferecem possibilidades como compra com 1 clique, pagamento com 2 cartões diferentes, cobrança recorrente, estorno de pagamento e outras funcionalidades que vão agilizar sua operação.

8. Marketing

Um e-commerce sem divulgação é como uma loja física no meio do deserto. Não adianta ser linda, com ótimos produtos: se você não divulgar, ninguém vai encontrá-la. 

Gosto de pensar nessa anedota sempre quando perguntam sobre a importância de redes sociais para marca ou de anúncios patrocinados. Mas a verdade é que o marketing do seu e-commerce pode ser feito através de uma porção de ferramentas e de estratégias específicas para seu nicho.

Com sua persona e nicho definidos, é possível estudar a forma de marketing que melhor funcionará para alcançar esse público, não sendo preciso fazer várias coisas ao mesmo tempo.

Claro que, quanto mais divulgação você tiver, maior será seu alcance e maior serão suas vendas.

Lembrando que o marketing não é só divulgar seu produto. Hoje é preciso marcar presença na sua internet e isso pode ser feito de várias formas. Aqui no blog já falamos sobre a diferença do marketing digital para e-commerce e para lojas físicas e também já citamos exemplos de marca que realizam um trabalho de branding tão incrível a ponto de nem precisar falar diretamente de seu produto – que é o caso de marcas como a Uber, Nike e Doritos.

O marketing é como a etapa final de todo esse processo, apesar de que deve ser planejado desde o início, lá no seu business plan.

Viu só? Apesar de demandar um bom trabalho, iniciar um e-commerce não é um bicho de sete cabeças! 

Se você quiser conferir mais dicas sobre e-commerce, acompanhe nosso Instagram @projecttus. E caso queira começar seu e-commerce com uma empresa que te dará todo suporte e consultoria nesse processo, além de desenvolvê-lo nas melhores plataformas no mercado, entre em contato conosco e solicite um orçamento.

foot-projecttus

Últimos posts publicados

View all projects
5 ferramentas de marketing digital essenciais para e-commerce

5 ferramentas de marketing digital essenciais para e-commerce

Um e-commerce sem divulgação é como uma loja no meio do deserto. Utilizamos essa anedota em…
Leia mais
Gateway de frete para e-commerce em Magento

Os 3 melhores gateways de frete para seu e-commerce Magento

A logística hoje é um dos aspectos do e-commerce que podem o destacar totalmente da concorrência.…
Leia mais
Como aumentar a velocidade do seu e-commerce

Como aumentar a velocidade do seu e-commerce

1… 2… Sair. 2 segundos. Esse é o tempo que as pessoas esperam sua página carregar…
Leia mais

Receba artigos e materiais gratuitos

Cadastre seu e-mail e fique por dentro das novidades, com dicas e artigos do mundo dos negócios on-line.

Mais do nosso blog

Ver todos os posts